segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Desabrochar

"Eu escrevo sem esperança de que o que eu escrevo altere qualquer coisa. Não altera em nada... Porque no fundo a gente não está querendo alterar as coisas. A gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro..."

Clarice em Entrevista à TV Cutura em 1977

2 comentários:

O Profeta disse...

A terra adormece no nevoeiro
Tenho a pressa do vento
Um coração errante procura
A doçura de terno momento

Frágil e palpitante luz
A beleza voa com a manhã
O mar solta na terra ternos murmúrios
Perde-se na espuma toda a palavra vã


Dança comigo ao som da Lira


Boa semana


Mágico beijo

Luana Ferraz disse...

Nossa Dani esse é um dos meus poemas preferidos...Um beijo. Eu tenho que vim aqui se nao meu dia nao esta completo.